domingo, março 06, 2005

Give 'em enough rope!

Primeiro post, estreando o blog que ainda tá com cheiro de novinho...
Bom, acho que vou começar pela banda que na minha opinião é a mais importante in influente da safra de bandas punks dos anos 70. Sex Pistols? Nah... Ramones? Também não! Dead Boys? Generation X? Heartbreakers? Nananinanão... A banda mais influente do punk dos anos 70 foi o Clash! Tá, pode parecer que é um exagero, afinal de contas os Ramones supostamente criaram o punk rock (algo que eu discordo: Acho que o punk deve muito mais aos Stooges pelo seu nascimento), os Pistols ou Mc Laren criaram a estética punk e foram muito mais significativos que os Ramones na dissiminação do punk pelo mundo, e o Crass levou o punk a um outro patamar musical e político. O Clash, por outro lado sempre correu por fora. Nunca foram tão radicais como o Crass, nem tão incensados como os Pistols ou mesmo reconhecidos como os Ramones. O Clash nunca quis ser o primeiro da lista. O Clash não estava preocupado em destaque. O Clash fazia seu punk rock por dois motivos principais: A música e a rebeldia.
A música do Clash influenciou milhares de bandas, tanto da época em que esteve ativo quanto as bandas mais recentes como Libertines, Strokes e os já quase tiozinhos do Rancid. Até mesmo os Ramones se renderam ao encanto do Clash; Johnny Ramone, num antrevista dada à revista brasileira Rock Brigade, em 1996 disse que das bandas daquela época a que ele gostava mesmo era de Clash, e que nunca se importou com Pistols. O Rancid é cheio de referências musicais ao Clash, além de refer6encias nas próprias letras. Strokes soa como Clash desde o primeiro disco e provavelmente vai continuar assim no próximo. Os Libertines também não negam a influência; seu primeiro disco, Up the Bracket, foi produzido pelo próprio Mick Jones (guitarrista e vocalista do Clash junto com o Joe Strummer). Entre as bandas punks dos anos 70 talvez apenas o Crass se equipare ao Clash quanto a inovações e invenções musicais. Desde o primeiro disco o Clash já era levemente norteado por rítimos como o ska e o reggae, e após alguns lançamentos o Clash se despiu dos esteriótipos do punk rock para alçar novos e mais livres vôos pela música. O álbum Sandinista é junto com o Combat Rock o melhor exemplo dessa variedade musical do Clash. O Clash foi o principal responsável pela evolução musical do punk rock. Se hoje somos bombardeados por milhares de bandas de ska-core por todos os lados, é principalmente culpa do Clash. O Clash soube encarar o punk como uma forma de expressão e não como uma fórmula, e isso os permitiu se diferenciar e soar mais autênticos que muitas das bandas da época e de hoje. O Clash ao desmantelar e desconfigurar o punk rock foi a única banda a levar o punk a sério.
A rebeldia do Clash também o fez se diferenciar das outras bandas do punk rock. O Clash era uma banda extremamente politizada, mas ao contrário dos Pistols, que gritavam por anarquia, mas, conforme disse o próprio John Lydon tempos depois, a palavra anarquia foi escolhida por soar bem na música e por ser algo que aparentemente irritava profundamente os conservadores da Grã-Bretanha, o Clash levava suas convicções políticas extremamente a sério. Eram envolvidos com o Rock Against Racism, faziam shows para essa organização, além de ao longo da carreira terem declarado-se simpáticos a diversas organizações e grupos revolucionários de extrema esquerda. Suas músicas eram também de conteúdo principalmente político. É infindável o número de músicas do Clash que passeiam por temas políticos, e, sem sombra de dúvida, eram temas significativos, livre daquela tendência das bandas punks politizadas de se contentar em praguejar contra o sistema sem sequer oferecer uma breve noção de o que está errado com ele, ou sequer o que É ele... O Clash mostrava quem era seu inimigo, e o que estava errado com ele. Era uma banda de atitude, que peitava o que fosse pelas suas convicções.
No fim das contas, o Clash soube se diferenciar por não tentar necessáriamente ser diferente. Eles estavam tentando é ser eles mesmos, e aparentemente isso era bem diferente dos outros.

Discos Essenciais:

The Clash - 1977
Give 'em Enough Rope - 1978
London Calling - 1979